1/31/13

Brasileiro Wilson "Protetor" é um herói











Wilson Martins Coutinho vive no Rio de Janeiro. Tem 4.999 amigos  - chegou ao limite permitido!! - e 7.880 seguidores no Facebook e o número não pára de aumentar. Para muitos amantes de animais ele é um herói. Se Wilson vivesse nos EUA já algum produtor televisivo o tinha transformado numa estrela de TV. Sim, porque não? Wilson dedica-se a resgatar animais que se encontram em condições extremas. Contra todas as expectativas, ele consegue salvar suas vidas. EXTREME ANIMAL RESCUE seria o nome ideal para o programa de Wilson! E decerto que bateria audiências! Wilson está para animais feridos e mal nutridos como Cesar Millan para animais com sérios problemas de comportamento. Wilson e Cesar são homens dotados, cada um à sua maneira. Cesar é bem conhecido de todos, Wilson apresenta-se assim:"Olá sou Will, e me amarro em animais principalmente os necessitados são os mais amorosos. Se você for uma pessoa que não goste de animais ou que tenha nojo de pelos, etc não precisa me adicionar. Como vocês podem ver em meus albúns tento fazer o possível e o impossível para ajudá-los, mas no momento estou desempregado. Caso você quiser ou puder ajudar:" e depois ele deixa os seus dados. 

Foi no Facebook que tomei contacto com os resgates de Wilson, segui em particular o caso de Davi, o cão acima. Aconselho uma visita ao album de fotografias "À espera de um milagre". (Precisa ter conta no Facebook e estar ligado para aceder!) Wilson documenta fotograficamente todo o processo. Se apenas relatasse o que faz muitos de nós talvez até duvidássemos da sua palavra pois algumas situações quase ganham o contorno de milagre. O Davi foi resgatado em condições deploráveis em Setembro do ano passado. Tinha 13 kg: o animal, um cão grande, com traços de pit e um lindo par de olhos esverdeados, estava esquelético e apresentava uma enorme ferida perto da cauda. Era um cachorro e foi usado em lutas. Um animal maior arrancou um pedaço de carne dele e deixou o osso à vista. Cheio de doenças que posso adivinhar, anemia certamente e sabe-se lá que outras mais, Davi mal conseguia andar. Ao vê-lo assim muitos teriam pensado que mais valia abater ali o bicho e livrá-o do sofrimento do que escolher curar. Mas Wilson acredita a fundo no potencial de uma vida e na capacidade do amor para salvar. Amor enquanto dedicação, labor e persistência, e amor enquanto inspiração que leva os outros a solidarizarem-se com ele e a colaborarem para o salvamento. Wilson confia no poder na internet para construir uma corrente de salvamentos."Je ne sais pas si vous aller comprendre ma languer mais je voie tout ce que vous faite a tous ses animaux et merci yen a peu comme vous et vous ete geniale en tout cas merci de ma part et pour les animaux que vous sauvez de la mort !!" Na sua página li mensagens como esta, que outros visitantes vão traduzindo para Wilson. A língua não é barreira, as palavras são apenas um pormenor. As imagens mostram o grande amor de Wilson pelos animais e a sua luta contínua.  Os visitantes dão-lhe os parabéns, rejubilam com cada conquista, invocam a benção de Deus e pedem-lhe que dê forças a Wilson, a quem apelidam de anjo. Pedem a benção de São Francisco, padroeiro dos animais. Wilson vive numa casa modesta, está actualmente desempregado, e no caso do Davi ele colocou o cão a viver no seu próprio quarto. Mesmo mostrando as fotografias há quem duvide da honestidade e capacidade de Wilson para tratar os animais, mesmo se ele tem a ajuda de veterinárias. "Não basta ser só vet, é preciso ter amor no coração," - diz Wilson. A veterinária faz os curativos no chão pois não há uma mesa no quarto de Wilson. Mas o que importa é resolver a situação, mesmo que as costas curvadas sofram. Davi não tinha pele suficiente para cozer a ferida mas a veterinária conseguiu diminuir o seu tamanho. Até hoje eu não sei bem como é que o cão ficou assim. Mas o desprezo humano pela vida dos animais não é incomum. Pomada de sulfadiazina de prata num dia e colagenese no outro, mais uns quantos fármacos. Transfusão sanguínia. Depois muito carinho e cuidados. Muitas visitas de gente amiga. Mensagens aos montes na internet. Muito amor. Mas também donativos em dinheiro e em géneros. O Davi vai apresentando melhoras graduais e desenvolve um apetite de leão. Ganha energia e já faz bagunça, pega uma almofada e não larga! Quer brincar, é bom sinal. Soro e vitaminas. Todos os dias é preciso limpar o ferimento e voltar a fazer o curativo. Uma veterinária opina que Davi ainda não tem dois anos sequer. Após um mês Davi parece outro. A carne já cobre as suas costelas, a sua pelagem está branca depois de um bom banho perfumado e tem até bolo de arroz com carne e osso moído para festejar! O Davi melhora a olhos vistos e começa a roer tudo: a caminha nova, a cómoda que uma amiga ofereceu a Wilson, os puxadores e até um coco. Chegam brinquedos de cão, oferecidos, que apenas duram um dia! As últimas fotografias são de ontem e mostram um outro Davi, aquele que ele devia ter sempre sido, o rei Davi. Ao vê-las não resisti a divulgar a sua história e a de Wilson. Mas mais importante do que lerem o que escrevi, é irem até ao Facebook e verem por vós mesmos o que Wilson faz. E, claro, se puderem e quiserem, não deixem de ajudar Wilson. Deus sem dúvida alguma que quer, Wilson sonha e a obra nasce.

A festa de aniversário do Davi um mês depois de estar com Wilson. Um video que Fábio Nascimento fez para homenagear Wilson e Davi!


1/30/13

Como fazer gatos em origami

Aproxima-se o aniversário de um amigo meu que gosta muito de gatos. Em vez de lhe fazer um postal ilustrado pensei antes em fazer um gatinho em origami e enviar pelo correio. Tenho alguns livros de origami mas os modelos são muito complicados. A internet é uma fonte de inspiração muito prática e um excelente lugar para aprender, não faltam diagramas e videos. Neste site encontrei uma coleção enorme de dobragens de gatos em origami. No Youtube encontrei gatinhos origami, uns mais simples e outros mais complexos. 
Como vem aí o fim-de-semana que tal experimentar esta antiga arte de dobrar papel? São bons para fazer à mesa, no final da refeição, em família, especialmente se vier chuva! Já se vende papel cortado à medida mas para começar qualquer papel serve. Muito fino não será bom pois pode não resistir a uma dobragem mais valente! Muito forte também torna as dobragens mais minuciosas complicadas. É experimentar! 
Se os videos desaparecerem da postagem, não se preocupem. Eu agora incluo também os links para eles. Não percebo porquê, mas por vezes os videos que coloco aqui somem-se sem explicação! Não sei se sou apenas eu que não os consigo ver ou se desaparecem mesmo! Divirtam-se com o origami!

Modelo 1. Este gato em origmai tem volume e a forma assemelha-se realmente a um pequeno felino de papel! A utilização de papel dourado deu-lhe um aspecto requintado!

Modelo2. Este modelo fica realmente bem a preto e branco e é muito simples de executar. Podemos fazer o padrão em desenho vectorial e imprimir na impressora. À mão também podemos criar um desenho na folha e depois dobrar. E podemos usar outras cores e tornar o nosso bichano bem extravagante!


Modelo3. Este modelo de gato em origami também é interessante pois o gato está bastante realista e é fácil de  fazer.
Update! Já posso mostrar as duas primeiras tentativas!





















Modelo 4. Outro origami de gato de que gostei bastante!Mas pareceu-me um pouco complicado até porque não é feito a partir de uma folha quadrada. E se não acerto na medida do rectângulo?!!

1/28/13

Filme Argo novamente distinguido nos SAG Awards


Entre janeiro e fevereiro o clima pode trocar-nos as voltas e até pode não chover, mas prémios de cinema e televisão é sempre garantido que chovam! Desta feita foi a vez dos SAG Awards - Screen Actors Guild Awards, que foram atribuidos pela 19ª vez este ano. Desde a atribuição dos Globos de Ouro eu já vi mais alguns dos filmes que este ano andam na berlinda das nomeações e dos prémios. Continuo sem ter visto Lincoln, mas Daniel Day Lewis já bizou, no que toca a melhor interpretação masculina, assim como Jennifer Lawrence pela sua determinada e apaixonante interpretação como Tiffany, em Silver Linings Playbook e, como já escrevi no blogue, gostei bastante deste filme no seu todoArgo também voltou a ser distinguido, escrevi aqui brevemente sobre Ben Affleck e Argo, que também já pude ver, mas ainda não vi os outros, não tenho termo de comparação. Em relação às séries de TV, Claire Danes teve um bom desempenho na segunda temporada de Homeland, a atribuição talvez tenha sido justa - foi também a única série que segui- e apesar de não ver mais 30 Rock, Alec Baldwin e Tina Fey eram magníficos, por isso não me admira que continuem em boa forma. Tenho de começar a pensar em dar uma espiadela a Downton Abbey, os prémios somam e seguem! Daqui a vinte poucos dias chegam os Oscares e depois a euforia das listas, das passadeiras vermelhas, dos vestidos e do show off, acalmam. Mas até lá ainda há tempo para ver mais uns filmitos da lista e ir fazendo apostas sobre quem vai levar os carecas para casa!

Interpretação maculina em papel principal
BRADLEY COOPER / Pat – “SILVER LININGS PLAYBOOK” (The Weinstein Company)
DANIEL DAY-LEWIS / Abraham Lincoln – “LINCOLN” (Touchstone Pictures)
JOHN HAWKES / Mark – “THE SESSIONS” (Fox Searchlight)
HUGH JACKMAN / Jean Valjean – “LES MISÉRABLES” (Universal Pictures)
DENZEL WASHINGTON / Whip Whitaker – “FLIGHT” (Paramount Pictures)

Interpretação feminina em papel principal
JESSICA CHASTAIN / Maya – “ZERO DARK THIRTY” (Columbia Pictures)
MARION COTILLARD / Stephanie – “RUST AND BONE” (Sony Pictures Classics)
JENNIFER LAWRENCE / Tiffany – “SILVER LININGS PLAYBOOK” (The Weinstein Company)
HELEN MIRREN / Alma Reville – “HITCHCOCK” (Fox Searchlight)
NAOMI WATTS / Maria – “THE IMPOSSIBLE” (Summit Entertainment)

Interpretação masculina em papel secundário
ALAN ARKIN / Lester Siegel – “ARGO” (Warner Bros. Pictures)
JAVIER BARDEM / Silva – “SKYFALL” (Columbia Pictures)
ROBERT DE NIRO / Pat, Sr. – “SILVER LININGS PLAYBOOK” (The Weinstein Company)
PHILIP SEYMOUR HOFFMAN / Lancaster Dodd – “THE MASTER” (The Weinstein Company)
TOMMY LEE JONES / Thaddeus Stevens – “LINCOLN” (Touchstone Pictures)

Interpretação feminina em papel secundário
SALLY FIELD / Mary Todd Lincoln – “LINCOLN” (Touchstone Pictures)
ANNE HATHAWAY / Fantine – “LES MISÉRABLES” (Universal Pictures)
HELEN HUNT / Cheryl – “THE SESSIONS” (Fox Searchlight)
NICOLE KIDMAN / Charlotte Bless – “THE PAPERBOY” (Millennium Entertainment)
MAGGIE SMITH / Muriel Donnelly – “THE BEST EXOTIC MARIGOLD HOTEL” (Fox Searchlight)

Interpretação colectiva

ARGO
THE BEST EXOTIC MARIGOLD HOTEL
LES MISÉRABLES
LINCOLN
SILVER LININGS PLAYBOOK

Interpretação masculina em TV - filme ou minisérie
KEVIN COSTNER / “Devil Anse” Hatfield – “HATFIELDS & McCOYS”
WOODY HARRELSON / Steve Schmidt – “GAME CHANGE”
ED HARRIS / John McCain – “GAME CHANGE”
CLIVE OWEN / Ernest Hemingway – “HEMINGWAY & GELLHORN“
BILL PAXTON / Randall McCoy – “HATFIELDS & McCOYS”

Interpretação feminina em TV- filme ou minisérie
NICOLE KIDMAN / Martha Gellhorn – “HEMINGWAY & GELLHORN”
JULIANNE MOORE / Sarah Palin – “GAME CHANGE”
CHARLOTTE RAMPLING / Eva Delectorskaya – “RESTLESS”
SIGOURNEY WEAVER / Elaine Barrish Hammond – “POLITICAL ANIMALS”
ALFRE WOODARD / Ouiser – “STEEL MAGNOLIAS”

Interpretação masculina em TV - Drama
STEVE BUSCEMI / Enoch “Nucky” Thompson – “BOARDWALK EMPIRE”
BRYAN CRANSTON / Walter White – “BREAKING BAD”
JEFF DANIELS / Will McAvoy – “THE NEWSROOM”
JON HAMM / Don Draper – “MAD MEN”
DAMIAN LEWIS / Nicholas Brody – “HOMELAND”

Interpretação feminina em TV - Drama

CLAIRE DANES / Carrie Mathison – “HOMELAND”
MICHELLE DOCKERY / Lady Mary Crawley – “DOWNTON ABBEY”
JESSICA LANGE / Sister Jude – “AMERICAN HORROR STORY: ASYLUM”
JULIANNA MARGULIES / Alicia Florrick – “THE GOOD WIFE”
MAGGIE SMITH / Violet, Dowager Countess of Grantham – “DOWNTON ABBEY”

Interpretação masculina em TV - Comédia
ALEC BALDWIN / Jack Donaghy – “30 ROCK”
TY BURRELL / Phil Dunphy – “MODERN FAMILY”
LOUIS C.K. / Louie – “LOUIE”
JIM PARSONS / Sheldon Cooper – “THE BIG BANG THEORY”
ERIC STONESTREET / Cameron Tucker – “MODERN FAMILY”

Interpretação feminina em TV - Comédia
EDIE FALCO / Jackie Peyton – “NURSE JACKIE”
TINA FEY / Liz Lemon – “30 ROCK”
AMY POEHLER / Leslie Knope – “PARKS AND RECREATION”
SOFIA VERGARA / Gloria Delgado-Pritchett – “MODERN FAMILY”
BETTY WHITE / Elka Ostrovsky – “HOT IN CLEVELAND”

Interpretação colectiva TV - Comédia
30 ROCK
THE BIG BANG THEORY
GLEE
MODERN FAMILY
NURSE JACKIE
THE OFFICE

Interpretação colectiva TV - Drama
BOARDWALK EMPIRE
BREAKING BAD
DOWNTON ABBEY
HOMELAND
MAD MEN

1/27/13

Flight, com Denzel Washington, é uma decisão de risco



Ontem fui ver Flight, (Decisão de risco), de Robert Zemekis, um realizador que tem uma extensa lista de filmes muito populares. Alguns dos meus preferidos são Quem matou Roger Rabbit?, Contacto, O náufrago, e, não, eu não pertenço ao clube de fãs de Forrest Gump. Talvez consiga esticar a lista e por nostalgia incluir Em busca da Esmeralda Perdida, com a lindíssima Kathleen Turner e Michael Douglas, um filme misto de aventura e comédia de meados dos anos 80. 
Flight não é um filme para entreter e dispor bem, dei por mim a estranhar o facto já que tenho andado numa de consumo de comédias, verdade, ou filmes que, ainda que sérios, dramáticos, densos, acabam por nos devolver uma sensação agradável no final, seja lá como for. Neste, nem por isso. Nem o final nos reconduz a uma nuvem de conforto e satisfação, nem o filme entrou para aquela short-list de favoritos meus. É um filme com altos e baixos, com turbulência. E até me custa um pouco a crer que esteja nomeado para Melhor Argumento Original, mas está, ok, quem sou eu para contradizer Hollywood.
A história deste piloto fictício, Whip Whitaker, não tem nada a ver com aquela do piloto que em 2009 fez aterrar um avião no rio Hudson, de nome Sully, um verdadeiro herói de carne e osso, lembram-se? A sua história não acaba bem, mas até acaba melhor do que ele próprio podia esperar se tivesse persistido em enganar-se a si próprio, a beber e a consumir cocaína e a pilotar aviões comerciais! 
Zemekis e os aviões são uma associação que faço sempre porque uma das cenas de desastre aéreo que mais me arrepiou no cinema pertence ao filme O náufrago e é protagonizada por Tom Hanks.  Eu nunca tive medo de entrar num avião. Sempre, nas viagens de avião que fiz, enquanto algumas das pessoas engoliam em seco, transpiravam e se agarravam ao assento, angustiadas,  já eu estava descontraidamente a ler o jornal que tinha pedido, confiando no desempenho da máquina e da equipa humana que a controlava. Sei que é um tormento não conseguir relaxar, lamento que não consigam ultrapassar o transe, e espero nunca ter de lidar com um sentimento semelhante. De vez em quando, durante um voo, eu  olhava da janela para o mar ou para a terra em baixo e pensava, foda-se, se isto avaria, não temos escapadela possível. Não é bem assim, em alguns acidentes aéreos o desfecho não é inteiramente trágico, no caso da amaragem no rio Hudson foi até um sucesso. Mas estudada essa possibilidade no nosso assento e do alto das nuvens ela parece extremamente remota. Por regra, afastava logo da ideia a hipótese de um acidente e continuava a desfrutar a viagem, tem de ser assim ou é o inferno. Apesar dessa minha descontracção quando vi O náufrago arrepiei-me a sério com essa cena marcante e até hoje lembro-me das imagens do filme de Zemekis. Nelas assistimos à queda incontrolável da aeronave no mar, sua perda e sobrevivência de Tom Hanks, o tal náufrago que dá nome ao filme; neste novo filme a aeronave repleta de passageiros é miraculosamente conduzida pelo experimentado Whitaker, a personagem interpretada por Denzel Washington, a uma aterragem forçada no campo. Penso que a maioria das pessoas que vê este filme sai da sala a perguntar-se se um avião assim pode executar e aguentar uma manobra, - the barrel roll -voar de forma invertida, de barriga para o ar. Eu comecei logo a colocar a seriedade do argumento em causa e hoje fui pesquisar na internet para saber se uma tal coisa é mesmo possível. Nem foi preciso perder muito tempo, vejam o segundo video, a resposta parece ser sim. 
Bob Hoover faz uma barrell roll e deita ice-tea num copo! 
Enquanto procurava encontrei este video e não resisto a partilhar...


Alvin M. "Tex" Johnston faz uma barrell roll com um Boeing 367-80

Tenho outra dúvida em relação à história do filme que é a de saber se um viciado em álcool que passa uma noite a beber todo o recheio de um mini-bar de um hotel até desmaiar consegue recuperar da ressaca recorrendo a umas boas snifadelas de cocaína. Harling Mays (John Goodman) é o fornecedor de droga do piloto aéreo e também de um par de momentos hilariantes para o filme, momentos que parecem um pouco metidos a ferros para cumprir o objectivo de nos fazer relaxar os músculos faciais e manter contente o público pouco dado a dramas fortes. Talvez tivesse preferido um amigo mais discreto, menos espampanante e menos humor. Também não gostei muito da forma como o papel da religião  ou da interferência de Deus  no destino são abordados, não sei bem que leitura fazer daquela cena em que Whip reencontra o seu co-piloto no hospital, após a saída deste do coma,  o discurso dele é inesperado tanto para nós quanto para o próprio piloto que apenas mostra incredulidade, e temos ainda a mulher deste em constantes Praise the Lord! Enfim, não percebi inteiramente o que se pretendia. Ah, e Kelly Reilly?! Coube-lhe a personagem Nicole, também ela uma toxicodependente, viciada em heroína, cujo trajeto de vida se cruza com o do piloto quando este é internado no hospital onde ela se encontra a recuperar de uma overdose. (Ora reparem no par de fotografias abaixo e digam-me se não será Kelly a irmã secreta de Inês Castel- Branco...?!) 
A presença de Kelly é muito airosa e decorativa, mas ela entra de rompante na vida de Whip e sai de rompante também, deixando o tradicional bilhete de despedida na mesa. E entra altamente dependente de heroína e sai francamente recuperada depois de umas reuniões nos AA e de ter feito uma amiga. Os argumentistas preguiçaram um pouco com com Nicole...
Resta-nos então Denzel Washington que é praticamente uma garantia em qualquer filme.  Em Flight ele tem a tarefa difícil de interpretar um homem encurralado pelo vício da bebida e da droga. Whip já tinha assistido à destruição da sua vida familiar, agora é a sua carreira profissional que está em risco. Graças à sua perícia ele consegue salvar quase todas as almas a bordo e é considerado um herói. Só que ele sabe que não pode ser um herói já que o seu comportamento não é exemplar. Todavia também não aceita ser um vilão pois além de carregar consigo a enorme tragédia de não conseguir ultrapassar os seus impulsos ele não pode ficar sem a única coisa que lhe dá alento: voar. Zemekis e Denzel, juntos, querem fazer-nos desejar que o piloto consiga mentir até ao fim e safar-se. Mas, a minha parte de viajante continuamente me fez desejar o contrário, Whip Whitaker não podia safar-se. Se ele se safasse, como é que eu poderia continuar a viajar de avião nas calmas? Sr. Zemekis, deixe-me pelo menos a ilusão de que os pilotos dos nossos aviões não são humanos, não sucumbem aos vícios comuns de todos nós, que são confiáveis, que fazem the right thing, que são os guardas do destino. E, de facto, o filme deu-me aquilo que eu desejava. A resistência do piloto quebra-se finalmente durante a audiência e ele faz o que a decência ditava, evita que a memória da hospedeira de bordo, com quem tinha uma relação íntima, seja manchada. Ao expor a verdade sobre si mesmo a todos os presentes na audiência federal, ele dá o primeiro passo para alacançar a cura e simultaneamente a liberdade. E daí a pouco o filme acaba, não digo como para guardar o desfecho aos leitores, podemos desapertar os cintos, sair da cadeira. Estamos prontos para novos vôos cinematográficos. Não foi uma viagem má, mas podia ter sido muito melhor. 


1/26/13

Sobre Ben Affleck e Argo


 Ben Affleck. Eu não gosto dele. O que se há-de fazer? Existem actores com os quais eu implico desde o primeiro momento e Affleck, bah, é um deles. Prefiro quando ele fica atrás da câmera,  sem dúvida. Quando Argo, o seu último e terceiro filme, ganhou o Globo de Ouro, bom, eu até gostei e fiquei com bastante vontade de ver a fita. No entretanto ainda resmunguei com o auto-casting para o papel principal!!! Usualmente eu não me importo muito em saber como são os actores na vida real, mas sempre imaginei Affleck um pouco como a personagem que interpreta em Argo, Tony Mendes, exatamente assim, um chato eficiente, reservado, inteligente, às vezes ressacado, mas sem a barba. Provavelmente estarei enganada. Affleck até poderá ser um indivíduo interessante, charmoso, bem humorado. Mas seria o último actor com quem eu desejaria ir tomar café!! E ontem vi finalmente Argo e gostei bastante. Tenho-me esforçado por não ler muito sobre os filmes antes de os ver pois o factor surpresa melhora a nossa experiência. Nem sempre consigo resistir mas estou a melhorar! Assim, eu apenas sabia que Argo era sobre uma extracção de reféns em Teerão durante os tempos da guerra fria. Eu gosto muito de trillers de espionagem inspirados em histórias reais. O Irão já se manifestou criticando o filme e afirmando que tenciona repor a verdade sobre "os seus heróis" realizando a sua versão cinematográfica da história. É natural que o Irão tenha outra visão dos factos.  Mas o filme é ficção, não é nenhum documentário. Affleck sabiamente parece ter evitado fazer uma caricatura do povo Iraniano ou agredir gratuitamente a nação, - a realidade não é bonita, não pode ser escamoteada, o Irão era, à época, pasto para violência e opressão- mostrou o que tinha que mostrar, o que queriam que Affleck mostrasse? Não vi nada que não continuemos a ver nos telejornais recentes ou na internet quando as relações ente estes países e os EUA se crispam. Quando o filme termina são-nos mostradas fotos das pessoas resgatadas e de algumas cenas recriadas e vemos que o trabalho de reconstituição foi minucioso. O que não significa que o filme não seja uma visão Hollywoodesca da missão. Mas eu não vou fazer disso uma questão, quando compro um bilhete de cinema compro uma mentira que todo o filme é, qualquer filme é, e, neste caso, Affleck vendeu a sua mentira e eu comprei, e não vou pedir o livro de reclamações!! Argo parece ter sido filmado nos anos 70, época cuja estética, e também música, sempre me fascinou no cinema. E como grande fã de ficção científica e total desconhecedora do que o título Argo significava - pensava eu que era o nome da missão secreta - achei hilariante que no meio de tamanha crise, de tanta tensão política e revolucionária, a arma secreta para salvar os reféns tenha sido a invenção contra-relógio da produção de um filme de ficção científica de nome Argo! A ficção ultrapassa assim a realidade e o elemento cómico que proporciona torna Argo extremamente divertido. Assistimos então aos esforços de um especialista de maquilhagem de Hollywood de nome John Chambers, que Tony contacta em plena rodagem de um filme de monstros, coadjuvado por um produtor em fim  de carreira, Lester Siegel, para criarem a ilusão de que uma equipa de gente do cinema vai a Teerão preparar o terreno para a filmagem do filme Argo. A tensão está bem trabalhada, é crescente, mas o ritmo do filme é sereno, como se conduzido pelo pulso firme de Tony,  o agente barbudo e de poucas falas, que "nunca deixou ninguém para trás", passados os minutos frenéticos da tomada da embaixada e da destruição de documentos.  E o que dizer da lição de história que abre o filme feita com story boards ao jeito das usadas em Hollywood e no cinema em geral?  Quando as estratégias mais cerebrais e tradicionais da CIA falharam, do cinema veio a resposta. Não há cinéfilo que não vá rejubilar ao assistir a Argo. Hollywwod 1- CIA 0. Eis o resultado de Argo. Parece mentira, mas foi verdade.



1/25/13

Bradley Cooper - Guia para um final feliz!


Bradley Cooper. Fiquei tão impressionada com a interpretação dele em Silver Linings Playbook  - Guia para um final feliz, que ando sempre a fazer-lhe campanha. Eu já o tinha visto antes, em pequenos papéis, mas recordava-me muito bem dele em Hangover - A ressaca. Pensava que Cooper se ia ficar por filmes desse género, agora acho que pode vir a tornar-se um nome grande da interpretação. Para quem não sabe, existem duas Ressacas - e espero que os produtores delas fiquem a ressacar por muito tempo na sequência desta e  não acordem para uma terceira. Vi os dois filmes, verdade, eu que torço sempre o nariz a comédias, não por não apreciar o género mas porque nunca, ou quase nunca, consigo  ficar satisfeita, vi os dois. O primeiro comecei a vê-lo desportivamente, na TV, e acabei por ficar até final. A Ressaca convenceu-me pelo factor surpresa pois conseguiu dar a volta ao estafado tema dos bons amigos que se juntam para uma louca  despedida de solteiro, as reviravoltas na história são engraçadas mesmo e a boa química entre os actores é manifesta. Com o segundo filme, em que o grupo vai à Tailândia para o casamento do Stu, dois anos após a ida a Las Vegas, senti-me enganada. É  perfeitamente desprezível. Quem disse que queremos mais do mesmo mas surpreendentemente pior?! A Ressaca 2 é um filme feito apenas para explorar o sucesso do primeiro. Sem grande rasgo, não diverte quanto baste, é uma pura perda de tempo e de dinheiro. 

Quando vejo uma boa comédia eu admiro realmente o esforço criativo envolvido. Não considero a comédia um género nada fácil. Não suporta artifícios. Tem de ser genuinamente boa. Em comédia não se podem usar muitos efeitos especiais para cativar o público ou, outra forma de dizê-lo,  distraí-lo de uma boa história.A excepção talvez seja MIB - Homens de negro, - vejam o último que é mesmo muito bom. Por isso, ou os argumentistas trabalham bem ou é um enfado pegado. Explorar piadas gastas só porque funcionam, é um truque de que se abusa, ou então, considerar que o espectador de comédias é um perfeito idiota. Escrever coisas engraçadas não  é para todos, ser naturalmente engraçado também não é faceta que assista a qualquer actor ou actriz. Mas não é fácil arrancar de mim um riso genuíno ou até um sorriso de qualidade!! E eu até sou uma pessoa animada! Para não me sentir defraudada, eu evitei ver comédias anos a fio. Olho para listas como esta  - As 100 melhores comédias de todos os tempos - e confirmo, há mais comédias para ver do que vistas. E não fico nada aborrecida com isso. As minhas preferidas até estão nesta lista e não são filmes muito recentes, o que me leva a crer que cada vez é mais difícil escrever boa comédia.

Ora, recentemente vi três filmes deste género que me agradaram bastante: Bernie, A pesca do salmão no Iémen e Guia para um final feliz. Todos eles são bons filmes. (Ou será que sou eu que abrandei no nível de exigência?!) O primeiro, baseado numa história real, é sobre um agente funerário muito peculiar e a sua funesta relação com uma viúva manipuladora. Tem como curiosidade o facto de serem actores e pessoas da cidade onde Bernie viveu a interpretarem algumas das personagens. O filme desenrola-se em parte como um documentário proporcionando análises por vezes hilariantes desses habitantes da pequena cidade do Texas sobre o sucedido. O maior motivo para ver este filme é  ver  Jack Black  - bem conhecido pela sua carreira como actor cómico - a interpretar como um senhor. O segundo é uma comédia britânica, deliciosamente romântica, que brilha através das encantadoras interpretações dos protagonistas e de diálogos espirituosos.  O que acontece quando pessoas comuns são arrastadas pelos sonhos incríveis de visionários? Muhammed, um Sheikh iemenita, encarrega Ashley, sua representante, de contactar o dr. Alfred Jones, um especialista em peixe, britânico, por causa de um projecto megalómano - ele deseja levar a pesca de salmões à linha (fly-fishing) para o Iémen.  Alfred, que tem um casamento e um emprego no funcionalismo público em estagnação, não vê que tal seja possível, mas acaba por ser envolvido no projecto e mudar a sua vida de forma radical. Embora o final não seja completamente satisfatório, o seu desenrolar vale bem a pena. É a adaptação de um livro que foi Prémio Bollinger Everyman Wodenhouse para o Melhor Romance Cómico de 2007. O terceiro, é a comédia Guia para um final feliz, um filme que se está a tornar bastante popular.
É um filme sobre a vida moderna, com personagens complexas e reais, e o mais interessante, personagens problemáticas que nos cativam e nos fazem torcer por elas. É impossível não gostar deste casal de inadaptados que se conhecem a discutir a lista de medicamentos que tomam para lidar com os seus distúrbios mentais. Muito bem escrito, bem interpretado por todos os intervenientes e dirigido com grande mestria, tem de ser um dos melhores filmes que andam aí!  Guia para um final feliz tem drama que baste -as personagens e suas famílias atravessam momentos bem complicados das suas vidas, - e é sobre este lastro dramático que a história romântica se desenrola. Mas não há dúvida que é um filme que se vê com um sorriso do princípio ao fim. O final, todavia, poderá ser um pouco cor-de-rosa demais para alguns, eu talvez tivesse preferido que o tom de comédia romântica não tivesse sido tão enfatizado. Em resumo, e tentando não estragar a surpresa, o filme segue Pat (Bradley Cooper) quando ele regressa a casa dos pais após ter estado internado num hospital psiquiátrico. Perceberemos depois que ao encontrar a mulher a traí-lo ele não se conseguiu conter tendo sido violento. O tribunal terá então concluído que Pat era um bipolar não diagnosticado. Depois de ter alta, Pat quer recuperar a sua antiga vida e também a sua bela mulher. Infelizmente ele ainda não está a 100%. A vida troca-lhe os passos e coloca-o no caminho de Tiffany (Jennifer Lawrence), que, por sua vez, também tem a sua conta de angústias para resolver. Mas ela vai desafiá-lo e eventualmente surge uma nova perspectiva daquilo que poderá ser o seu futuro. Não percam.

Lista de Blogues portugueses para visitar

O Aventar organizou pela segunda vez um concurso de blogues demonstrativo da vitalidade da blogosfera portuguesa. O blogue Aventar não inscreveu ninguém, penso que eram os próprios autores dos blogues que se inscreviam e que depois promoviam a votação dos seus blogues. Estas pacientes e trabalhosas iniciativas servem para dar a conhecer novos blogues e por isso aqui fica a chamada de atenção. Para votar têm de ir até ao blogue aventar e apressem-se pois o prazo termina já amanhã. É uma boa lista para partir à descoberta da blogosfera portuguesa. São bastantes pelo que dá para ir conhecendo a pouco e pouco ao longo deste ano de 2013! Eu tenciono espreitar todos e irei apagando, à medida que for espreitando, aqueles de que não gostar. 
Actualidade política - blog colectivo
Arrastão

Delito de Opinião
Actualidade política - blog individual
Anabela Magalhães
Máquina Política
Actualidade política - Internacional
Coreia do Norte
oblogouavida
Auto-conhecimento / Reflexão filosófica
Pé de meia...
Wicked Reasoning
Blog estrangeiro em língua portuguesa
Ditadura do Consenso
Vendetta - Cabelo do Aimar
Botânica, Horticultura e Jardinagem
Um jardim para cuidar
c7ne
Comunicação e Media
O Informador
A arte da Guerra
Culinária / Gastronomia
Alquimia dos Tachos
Lateral Esquerdo
Diários de bordo / Diários íntimos
Arroz do meu Céu
Santiagobibe
Fotografia e fotoblogs
Pé de meia...
A Bola é Redonda
Geek blogs / Tecnologia
Xá das 5
Escuta
Língua portuguesa
77 palavras
Poesia de Vida
Livros, literatura, poesia
BranMorrighan
Planeta Pop
Natureza/ Animais / Ambiente
Ilhas Selvagens
Encontro de Pugs
Pais/ Filhos
4D
Transportes
Infomotors

1/23/13

Festas de Lisboa - Sardinhas a concurso! Participe!


Em 2013 a Sardinha comemora o seu 10º aniversário. Para celebrar, este ano premiamos as 10 melhores sardinhas!
O Concurso Sardinhas Festas de Lisboa’13 está a decorrer até 19 de Fevereiro de 2013 e convida-vos a serem criativos e enviarem as vossas melhores sardinhas.
As sardinhas vencedoras da edição deste ano serão as estrelas da campanha de comunicação e prometem ocupar toda a cidade durante o Verão.Como concorrer
1- Podem concorrer todas as pessoas, de todas as idades, portugueses e estrangeiras, residentes e não residentes em Portugal, de forma singular ou colectiva.
NOTA: Não podem concorrer os trabalhadores da EGEAC e da CML, os elementos que integram o Júri e os trabalhadores das empresas onde trabalham os elementos do Júri, bem como os cônjuges, ascendentes e descendentes destes.
2- Podem candidatar-se todas as propostas de sardinha que sejam inéditas e originais.
3 – As propostas devem ser reconhecidas como sardinhas. No regulamento é fornecida a silhueta-base da forma da sardinha.
4- As propostas de sardinha podem ser realizadas em qualquer técnica, manual ou digital:
a) as propostas em técnicas manuais (sobre papel/cartolina, colagem, fotografia ou objectos tridimensionais) não devem exceder os 40cm de comprimento/altura e não podem integrar objectos/produtos perecíveis;
b) as propostas digitais devem ser entregues em formato JPEG, EPS ou PDF, com um comprimento de 40 cm e a resolução mínima de 300 dpis.
c) as sardinhas digitais animadas devem ser enviadas em formato vídeo HD (mpeg, mov), com a duração máxima de 10 segundos.
Leia o Regulamento completo aqui, e participe! 

1/20/13

Imagens da Figueira da Foz em 1930






São imagens da Figueira da Foz em 1930 que os figueirenses vão decerto adorar mas que muitos outros acharão igualmente curiosas. Para ver o filme de 11 minutos basta aceder ao site da Cinemateca Digital !

Informação do site:
A Cinemateca Digital nasceu da participação portuguesa no projecto European Film Gateway – consórcio constituído por 16 cinematecas e arquivos fílmicos europeus enquanto fornecedores de conteúdos e 6 entidades fornecedoras de serviços tecnológicos –, que funciona como agregador sectorial para o portal Europeana. Para a selecção das obras a fornecer no âmbito desse projecto, a Cinemateca adoptou como critério o tema da produção portuguesa de não-ficção do período 1896-1931, consubstanciado nas representações digitais dos seguintes materiais:a) 170 filmes;
b) material gráfico (fotografias, cartazes, anúncios);
c) textos (de época ou posteriores).
O acesso à colecção digital pode fazer-se mediante pesquisa no catálogo ou por navegação através dos índices.Os conteúdos da Cinemateca Digital estão também disponíveis através dos portais Europeana (www.europeana.eu) e European Film Gateway (www.europeanfilmgateway.eu).

1/18/13

Os japoneses inventaram hamburgueres de caca?!



Fui uma única vez com o meu sobrinho ao MacDonalds e ele acha que eu sou uma tirana pois ando sempre a dizer que os hambúrgueres do Macdonalds são uma boa caca. Eu sei, eu sei, devia usar de uma melhor linguagem em frente da criança. Mas a adoração dele pelo McDonalds eu acho-a quase um sacrilégio sim, sim, um pecado contra a religião da boa comida! Eu conto pelos dedos das mãos as vezes que comi no McDonalds. No estrangeiro tive de recorrer ao McDonalds porque era mais económico. Em Portugal não considero que seja económico nem sequer saudável. Porque não fazer o hambúrguer em casa e levá-lo na lancheira? Qual é a ciência de fazer um hambúrguer !! Por favor! Não estamos exactamente a falar de confeccionar uma perdiz em escabeche! A propósito, já conhecem o blogue Mesa Marcada? Lindo de olhar, saboroso de ler. Gosto muito de ir lá espreitar, é outro mundo. Bem, voltando à famosa sanduíche de carne, depois do escândalo provocado pelas declarações de Jamie Oliver, mais ou menos há um ano atrás, eu não passo junto de nenhum McDonalds sem me lembrar do pink slime. Jamie Oliver descobriu e mostrou num programa de TV que o McDonalds para centrifugava sobras gordurosas de carne que, após exposição a hidróxido de amónio, se transformam em recheio para hambúrgueres. A rede de fast-food anunciou, depois de muita água ter passado por baixo da ponte, ou melhor dizendo, depois de muita carne ter passado pela picadora, que mudaria a receita dos seus hambúrgueres nos Estados Unidos. Vitória! Cá no nosso Portugal até é possível que nunca tivessem feito aquela mistela mas nunca fiando. Até o cheiro que se respira à volta dos restaurantes MacDonalds me lembra gordura inominável, saturada, requentada, em suma, porcaria. Para o meu sobrinho é perfume no ar. Que desgraça, que desgraça. Onde é que falhou esta tia?! Mal eu sabia que andava a circular pela net um hoax, intitulado A solução para a crise alimentar global, cujo tema são os hambúrgueres de caca. Recebi por email e não resisti a partilhar. Houve quem acreditasse na história dos hambúgueres de caca japoneses, o video já não é novo. Enviaram-mo por saberem da minha curiosidade pelas coisas que vêm do Japão, claro. Mas pergunto eu, que cientista reputado e sério utilizaria um ponteiro cruzado de mãozinha-de-coçar-as-costas, com unha de gel vermelha numa apresentação?!!  Um bom actor este Professor Mitsuyuki Iked, vejam-no a explicar, concentradíssimo, a sua invenção de caca, nada mais nada menos que bifes feitos a partir de proteínas extraídas de excremento humano! O elevado índice de proteínas deve-se à presença de bactérias que são mortas pelo calor durante o processo. Sabe a bife, diz ele! Junta-lhe proteína de soja - tinha de ser, a soja está em toda a parte, é quase como deus -  e um corante alimentar para lhe dar uma cor mais apropriada, pois os olhos também comem. Até temos direito a gráfico de queijinho para melhor visualizarmos que a carne artificial presente num hambúrguer de caca tem 63% de proteínas, 25% de hidratos de carbono, 3% de líquidos e 9% de minerais. O Professor Mitsuyuki Ikeda vai mais longe, atreve-se a prognósticos antes do final do jogo, diz que o problema principal para a aceitação destes bifes é a barreira psicológica! Acredito que sim. Uma segunda barreira prende-se com o custo dos bifes. Por incluir o custo da pesquisa envolvida, esta carne de caca custaria 10 a 20 vezes mais do que a carne comum. Mas que não seja por isso. Mal a pesquisa termine, Ikeda pensa que a carne poderá ser colocada no mercado mais ou menos ao preço da carne tradicional. Se não fosse assim nem valeria a pena pesquisar, diz o senhor. A vantagem, diz ainda, é que esta carne artificial contém menos calorias porque é muito menos gorda do que a comum. Acreditem que já tenho visto apresentações de produtos bem menos conseguidas do que esta!O McDonalds que se ponha a pau porque se eles investem a sério nesta investigação ainda tomam conta do mundo do fast-food! Se o mundo está condenado a comer hambúrgueres de caca, ao menos que sejam genuínos! E o que pensaria Jamie Oliver de uma tal ideia?

1/17/13

Zico - Assinei a petição contra o abate do cão de Beja

"A grandeza de uma nação e o seu progresso podem ser medidos pela maneira como trata os seus animais" - Mahatma Gandhi.

Daniel Oliveira, do Bloco de Esquerda, escreveu há dias que "a vida do humano mais asqueroso vale mais do que a vida do animal doméstico de que mais gostamos. Sempre". E com esta tirada mal medida provocou uma onda gigante de protestos. Gostei de ver pois significa que em Portugal, afinal, as pessoas gostam de animais. Não vai ser condenado por nenhum tribunal, mas a opinião pública já o julgou. Há uns anos atrás Daniel foi condenado pelo Tribunal de Lisboa a pagar uns quantos euros ao presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim,  pelo crime de difamação. Lembrei-me do processo judicial do Daniel pois costumava ver o Eixo do Mal e seguia mais ou menos as andanças dos comentadores. O artigo de opinião em questão chamava-se O Palhaço Rico. Com este aparte quero apenas mostrar que a arrogância dos comentadores é, actualmente, quase uma imagem de marca. São raros os que conseguem escrever com moderação e elegância e atingir o cerne da questão de forma eficaz.  Infelizmente eu não tenho muita consideração por comentadores, opinadores profissionais e outros da mesma raça, que considero potencialmente perigosa. Quantas vezes lemos textos infelizes que parecem ter sido escritos como se os comentadores estivessem embriagados pelas palavras e não se conseguissem conter! É muito fácil deixarmo-nos levar pelas suas falinhas mansas, quantas vezes bravas. Devemos questionar o que dizem e exercer o nosso poder de avaliação e crítica, friamente, muitos destes profissionais nem sequer são capazes de ser objectivos e independentes, esta é a verdade. Por isso a sua palavra não pode nem deve ser regra para ninguém. 

Também, e ainda, as redes sociais e os blogues acabaram por criar a sua própria raça de comentadores (amadores) potencialmente perigosos. Já tenho escrito muito sobre a banalização do exercício da opinião, a forma como se faz às pressas, mal informada, sem fundamento, sem auto-crítica, e a forma como no direito de resposta se passa rapidamente ao insulto e à rudeza, por vezes mesmo à difamação, mas isso é mais uma marca dos nossos tempos onde ser educado deixou de marcar pontos. Acabou-se o respeito, a decência, diz-se tudo, pode-se dizer tudo, sem regra, sem continência. Estas palavras não as leva o vento, ficam escritas, os debates inflamados e desregrados estão em qualquer local onde se crie um espacinho para o comentário. Mas este afã em que se desgastam as pessoas, estas trocas de mimos e discussões muitas vezes apenas são improdutivas pois daí não resulta qualquer mudança. Ou me engano muito ou o caso do Zico vai ser assim, mais uma discussão que  não vai dar fruto, nada mudará: uma criança morreu, um cão vai morrer, o dono vai pagar algum dinheiro por ordem do Tribunal, se o tiver, ou vai preso, se não o tiver, e depois vai tomar uns copos e a vida continua, até ao próximo Zico e à próxima crónica grotesca, estúpida, tosca, sem tacto, insensível, mais a sua subsequente torrente de prós e contras, nem sempre formulados de forma mais sensível. Mais ao longe, permanecerá, inquestionada, a situação que devia estar na ordem do dia a ser discutida e atacada pelos comentadores, agora, agorinha, isto é a revisão da legislação sobre os direitos dos animais em Portugal, a fiscalização do seu cumprimento, e a da educação da população sobre a responsabilidade da detenção de animais - a grandeza de uma nação e o seu progresso podem ser medidos pela maneira como trata os seus animais.

Tiago Mesquita tem sobre o Zico uma opinião diferente, ele veio depois responder ao seu colega do Expresso e escreveu que "devo acrescentar que a vida do cão que faz o favor de me aturar, e que amo como família, vale muito mais do que a vida do ser humano mais asqueroso deste planeta. Aliás, vale para mim infinitamente mais do que a vida de muitos - ditos racionais -, que não passam de seres humanos desprezíveis, que nada acrescentam ao mundo senão dor, sofrimento, morte, humilhação e tragédia. Bestas (Anders Breivik) capazes de mata  descontraidamente 77 pessoas numa tarde de sol. Incapazes de dar ao mundo o que tantos amigos de quatro patas dão."

A 12 de janeiro, escreveu depois Paulo Borges, Presidente da Direcção Nacional do PAN, no seu Facebook: "Sou radicalmente contra a pena de morte, mesmo do ser humano “mais asqueroso”, pois penso que todo o ser vivo pode mudar o seu comportamento, mediante a reflexão e a vontade, no caso dos humanos, e no caso dos animais com quem partilhamos as nossas vidas, a reabilitação comportamental. Todos os seres merecem uma segunda e muitas oportunidades, porque todos podem mudar e toda a forma de vida, por ser vida, algo que está aí sem o ser humano a ter criado, tem um valor intrínseco e é sagrada. Desde o ditador mais cruel e empedernido até ao Zico e até ao cronista com a inteligência e o coração mais endurecidos, como o Daniel Oliveira. Que merece para já a segunda oportunidade de reconhecer o momento extremamente infeliz desta crónica e de não voltar a insultar as dezenas de milhares de pessoas que se colocam do lado de todos os Zicos e de todos os mais fracos deste mundo, reclamando cada vez mais para os animais um estatuto jurídico e uma protecção legal que lhes reconheçam direitos fundamentais e não os tratem como “coisas” que se podem abater sem dó nem piedade. Não se trata de relativizar os direitos humanos, mas de ampliar a noção jurídica de "direitos" até abranger, tendo em conta a sua especificidade, os pacientes morais que são os animais, que não agem moralmente mas padecem as acções dos agentes morais humanos. Esta é uma questão fundamental da ética e do direito contemporâneos e uma aspiração de sectores crescentes da população, como mostra o crescimento vertiginoso da petição que o cronista tão levianamente achincalha. Ao fazê-lo confirma o que já se sabia: que a estreiteza de vistas habita igualmente os dois lados do espectro político, direita e esquerda.Vamos lá dar uma segunda oportunidade ao Zico e também ao Daniel Oliveira."

Tanto quanto sei, ainda não se pode ler em parte alguma o resultado da autópsia, apenas a notícia do Público, de que transcrevo excertos abaixo. Mas já li mau jornalismo, por exemplo quando os jornalistas nomeiam o cão como "assassino", um atributo unicamente humano, apenas próprio dos seres racionais, assim contribuindo para alimentar a ideia, errada, de que o cão tem poder de decisão sobre o que faz! Tenhamos frieza e deixemos as autoridades apurarem o que se passou naquela casa. Devemos ser capazes de exigir o apuramento das responsabilidades, o inquérito do Ministério Público está em curso, aguardemos o seu resultado. Paremos com o "deve ter sido assim ou assado", "parece-me que", "é quase certo que o que se passou foi", "o cão é um assassino". Deixemos que os factos sejam analisados por quem sabe e tem os dados na mão. Paremos a irracionalidade colectiva. Antes, pesquise-se informação sobre a legislação existente sobre animais de estimação, opiniões de peritos em comportamento canino, história dos direitos dos animais, em Portugal, na Europa, no mundo, opiniões de quem tem raças perigosas em casa, - quantas destas pessoas que comentam já se deram ao trabalho de ler seriamente sobre cães? - procure-se perceber se matar um animal que matou é a melhor resposta para esta situação. Ou melhor: se é assim que queremos que este tipo de situações seja resolvida, pois não será a última vez que um cão vai estar envolvido em acidentes mais ou menos graves com humanos. Matar o animal é eliminar uma ameaça, dir-me-ão de imediato. Significa segurança. Mas, será que esse mesmo cão seria uma ameaça numa casa onde existissem donos responsáveis? Foi o cão quem matou a criança? Ou foi a irresponsabilidade dos seus guardadores que matou a criança? E se em vez de uma cozinha às escuras a criança tivesse ido para um jardim e caído num poço ou numa piscina como tanta vez acontece? Uma piscina ou um poço não são uma ameaça viva, pois não, mas se não houver vigilância e se não forem tomadas medidas, nesse poço, nessa piscina, ou noutros poços e piscinas, mais crianças perecerão, são armadilhas de morte. Mas estas medidas são de prevenção e tomam-se ANTES dos episódios mortíferos acontecerem. Assim também se haverá de pensar no caso dos cães, de quaisquer cães e não apenas no caso dos cães ditos de raça potencialmente perigosa, mais fortes por natureza, e por isso representado maior risco imediato. Em suma, depois da casa roubada, trancas na porta. É assim quer queremos continuar a proceder? Na minha opinião, esta morte infeliz forneceu o mote ideal para se debater a sério um problema que não deve mais ser adiado...e por isso devemos divulgar o caso o mais possível. 

E, sim, acabei assinar a petição, 71.527 pessoas já tinham assinado antes de mim. Quem concordar em poupar a vida do Zico pode aceder à petição aqui.

 Notícia 1, excertos. 

"O menino (Dinis Janeiro) de 18 meses foi atacado no domingo ao final da tarde pelo cão da família, um cruzado de pitbull, raça considerada potencialmente perigosa. Foi transportado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde deu entrada com um traumatismo crânio-encefálico grave, com o crânio esmagado e com massa encefálica arrancada, segundo fonte hospitalar.(...) A autópsia, realizada na quarta-feira, concluiu que a morte se ficou a dever aos ferimentos provocados pela mordedura do cão, segundo disse ao PÚBLICO fonte do Instituto de Medicina Legal. (...) A decisão de abater o animal partiu da veterinária municipal, Linda Rosa, que após um pedido da PSP para se deslocar ao local na segunda-feira, ordenou que o animal fosse enviado para o canil municipal e, como está determinado na lei, fosse abatido oito dias depois. Quando foi recolhido, o Zico estava "bem tranquilo e não mostrou agressividade nenhuma", afirmou Linda Rosa. Rita Silva (Associação Animal)  sublinha que quando levado para o canil o cão "estava maltratado, magro e com as orelhas cortadas, o que é ilegal, e geralmente denuncia uma procura de estatuto ou o uso do cão para lutas". Assim, e lembrando que mesmo que se venha a confirmar o ataque do animal "este pode ser sempre reabilitado", a activista sustenta que "a haver um responsável, esse será o tutor do animal".Jacinto Janeiro admitiu aos jornalistas que estava “desejando” que o animal fosse abatido e que “há um ano e tal” que tinha ido ao canil para o tentar abater, porque “não tinha condições para ter o cão em casa”. Ao PÚBLICO, a veterinária confirmou que o apartamento da família "não tem as condições necessárias" para o animal, que "dormia na cozinha e durante o dia estava na varanda". (..)A família da criança não apresentou queixa após a agressão mas a PSP de Beja decidiu participar o caso ao Ministério Público, que vai abrir um inquérito. (...)Segundo informações apuradas pela Lusa, Jacinto Janeiro já tinha sido atacado pelo menos duas vezes pelo cão, tendo recebido assistência médica."

Notícia 2, excertos 
" o Ministério Público decidiu abrir um inquérito sobre o caso que culminou na morte da criança, o abate do cão está, para já, suspenso enquanto decorrem as investigações, apurou o PÚBLICO junto de fonte ligada ao processo. O PÚBLICO contactou a Procuradoria-Geral da República (PGR), que se escusou a adiantar mais esclarecimentos. "O inquérito encontra-se em segredo de justiça, pelo que, neste momento, não poderá ser prestada qualquer informação", afirmou a PGR. " 




Ao procurar pela Petição que assinei, encontrei várias disponíveis, num e noutro sentido, e até uma que pede  o abate do dono irresponsável !


PETIÇÃO CONTRA O ABATE DO PITBULL ZICO e DE TODOS OS OUTROS ZICOS

Esta petição tem como objectivo lutar contra o abate do cão "Zico" que atacou uma criança em Beja e de todos os outros "Zicos" espalhados pelo país...
Um cão que nunca fez mal durante 8 anos e atacou é porque teve algum motivo.
O abate não é solução! Nestes casos há que investigar o que causou a reacção do cão (foi provocado/não está a ser bem tratado/etc) e pode optar-se pela reabilitação/treino do cão!
Se não se abatem pessoas por cometerem erros, por roubarem, por matarem...então também não o façam com os animais! Eles também merecem uma segunda oportunidade!
POR CADA VIDA PERDIDA DEVIDO AO ATAQUE DE UM ANIMAL, VÁRIAS VIDAS SÃO SALVAS POR ANIMAIS!!!



PETIÇÃO ZICO ( o cão ) vs UMA CRIANÇA DE 18 MESES. 

Fazemos esta petição para alertar o despautério que é alguem ter a "lata" de achar que não tem que se abater um cão que MATOU uma criança.
Estes "amigos" de animais, que não percebem nada de nada de animais, não conseguem perceber que o cão ficara marcado para sempre por este ataque, que se lhe abriu uma porta no dia em que fez o primeiro ataque. Porta que lhe ficara gravado para sempre.
A defesa dos animais passa por reconhecer que eles são animais e não objectos para os despejos dos sentimentos ou emoções de humanos carentes.



PETIÇÃO A FAVOR DO ABATE DO CÃO ZICO

A Favor do abate do "Cão Zico" e de todos os Cães Zico, que mordem e como neste caso, matam crianças. É inadmissível, dar uma segunda oportunidade a um cão que matou uma criança com 18 meses. Vamos deixa-lo vivo e arriscar a morte de outras crianças? Não, vamos abate-lo, como sempre fizemos a Cães que têm este tipo de comportamento intolerável! Não digo isto por ser um Cão, se fosse uma pessoa e tivesse mordido uma criança, de tal modo, que ela tivesse morrido, também seria a favor de uma pena de morte! Sei que muita gente não concorda comigo, mas deixo aqui esta petição, porque me choca que não exista respeito pela alma desta criança! Sabem o nome da criança? Eu não, mas sei que o Cão se chama Zico ! Acham isto normal? Por isso, peço a toda a gente que concorda comigo, que assine esta petição, não por mim mas pela familia e pela "dita" criança! Um abraço.

PETIÇÃO VIRTUAL A FAVOR DO ABATE DO DONO DO PITBULL ZICO E DE TODOS OS OUTROS DONOS IRRESPONSÁVEIS

Por falta de entender tanta raiva e comentários sem sentido, por ver uma petição a favor do abate de um animal sem que se saiba a maneira estranha e bizarra como ocorreu a trágica morte de uma criança. 

1- Pitbull ás escuras na cozinha, como raio é que deixam um bebé lá entrar?
2- Orelhas cortadas
3- Magreza extrema
4- Cicatrizes de luta

Eu acho que consigo mais assinaturas para abater este dono irresponsável do que a pessoa que iniciou a petição para abater o desgraçado do cão!

Tenho dito!


PETIÇÃO PELO ABATE DO ZICO

Um animal não tem consciência. Essa é a grande distinção entre homens e animais. Por este motivo, um cão, ou qualquer outro animal, não é culpado seja do que for. E, também por isto, um cão deve ser abatido. Não por uma questão de justiça, mas porque constitui um perigo para os que o rodeiam. Um animal violento, agressivo e capaz de matar não pode permanecer vivo, pois poderá, em qualquer momento, atacar de novo uma pessoa.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...