23/11/12

Bica curta, normal e longa: qual a mais forte?



Como grande consumidora de café, de qualquer tipo, desde que bem quentinho, gostei de saber qual é afinal o café mais forte. O que pensam vocês? Será o da bica dita curta ou o de uma bica cheia? A DELTA CAFÉS providenciou a resposta.

Uma bica curta que tem um volume de ± 25 cc:
Conteúdo de cafeína 87,0 mg

Uma bica normal que tem um volume total de ± 35 cc:
Conteúdo de cafeína 94,5 mg

Uma bica cheia que tem um volume total de ± 45 cc:
Conteúdo de cafeína 98,1 mg

Como reconhecer um bom café expresso, a vulgar bica?

Um café expresso resulta da pressão a que a água atravessa as partículas de café moído e da consequente emulsão que essa pressão origina, das substâncias gordas do café - os óleos aromáticos e os colóides - o que caracteriza e distingue esta bebida das restantes pela sua densidade, creme, corpo e sabor persistente na boca.
Reconhece-se um bom expresso pela cor e textura do creme à superfície, o qual deverá ser levemente acastanhado (cor avelã) e com ligeiras nuances mais escuras no centro e sem bolhas. A sua espessura deverá ser de 3 a 4 mm e consegue-se analisar essa espessura se ao deitarmos açúcar na bebida, o creme consiga sustentar durante poucos segundos essa quantidade de açúcar, indo-se depositando no fundo da chávena de forma gradual.

(Recebido por email)

16/11/12

Tornado no Algarve

Tornado deixou sinalização retorcida

Foto: Virgilio Rodrigues/Algarvephotopress/GI


Acabo de ver no Youtube estes videos sobre o tornado que hoje cerca das 13.40 horas provocou destruição no Algarve, nas zonas de Silves, Lagoa e Carvoeiro. Margarida Gonçalves do IM (Instituto de Meteorologia) afirmou que só dentro de dias, e após reunido o máximo de informação, é que haverá uma conclusão sobre a natureza do fenómeno dizendo que poderá ser uma window shear - uma "tesoura de vento". Tesoura ou outra coisa qualquer, os estragos são muitos. O relato da Proteção Civil refere a existência de vários feridos, dois deles encontram-se em estado grave. Há notícia de árvores e postes de eletricidade caídos, telhados arrancados, montras partidas, carros destruídos, tombados nas vias e atirados contra paredes, e casas danificadas. É só ver os videos para constatar isso mesmo. Os ventos fortes arrancaram as janelas dos dois lados de casas e apartamentos e levaram coisas do interior. O estado de Silves está parcialmente destruído. No parque de campismo de Lagoa caíram várias árvores e algumas viaturas e autocaravanas ficaram viradas ao contrário. Há pessoas desalojadas a valerem-se do socorro de familiares mas as unidades hoteleiras também deram resposta.


Estes fenómenos ocorrem bastante mais em Portugal do que se pensa. A maioria são de muito pequena escala F0 ou F1, os primeiros dois níveis da Escala de Fujita Modificada, ninguém lhes dá grande importância. Eu, a pessimista de serviço do costume, ando sempre a dizer que as alterações climáticas e o aquecimento global vão aumentar a probabilidade da ocorrência de tornados em Portugal e que devíamos começar a pensar nisso mais a sério e não como um fenómeno que não nos diz respeito. Mas o que sei eu disso? A formação dos tornados é difícil de prever. Eles basicamente acontecem quando duas massas de ar chocam: uma massa de ar quente e húmido e uma massa de ar frio e seco que desencadeia movimentos de rotação em sentido ascendente. Uma vez vi um daqueles contentores de lixo verdes, rectangulares, a subir no ar e isso não é nada. Os tornados podem arrastar tudo. São bastante assustadores e o que é ainda mais assustador é pensar que à boa maneira portuguesa não há prevenção que nos valha, nem sequer a prevenção da prevenção!! Mas não deixam de ser um dos mais espectaculares fenómenos atmosféricos da natureza sendo famosos os caçadores de grandes tornados que percorrem as zonas onde mais acontecem em busca de emoções fortes e registos assombrosos.


08/11/12

Filme Mudar de Vida, precisa de apoios!


Recebi um email com este teor e passo a divulgar:

MUDAR DE VIDA, José Mário Branco, vida e obra

É este o titulo do filme realizado por Nelson Guerreiro (Lisboa) e Pedro Fidalgo (Paris) visando retratar o cantor e compositor português José Mário Branco.


O filme já está bastante avançado. Durante os últimos anos, com as maiores dificuldades financeiras e materiais, acompanharam, pesquisaram e filmaram o percurso artístico de José Mário Branco, no intuito de retratar um artista que consideram ser um marco singular da cultura portuguesa. Através doutros músicos como Camané, Sérgio Godinho, Amélia Muge, Francisco Fanhais, JP Simões, Luís Cilia ou Chullage, vamos encontrar um autor ecléctico que tanto tem cultivado a música e a política portuguesa, para não esquecer a sua importância na obra de José Afonso. Inspirado da obra de Michel Giacometti e Fernando Lopes Graça, José Màrio Branco tem percorrido os varios géneros musicais desde a música erudita às Marchas Populares, ao Fado ou Hip-hop.

Este filme não foi apoiado pelas instituições oficiais, publico ou privadas, e por isso os jovens realizadores apelam ao financiamento colectivo na plataforma Massivemov até ao 30 de Dezembro. O valor pedido ronda os 7100 euros e já circula nas redes sociais com vídeos para partilhar. O financiamento serve para custos de reprodução de direitos de imagens de arquivos, terminar a rodagem e passar à pós-produção.


Através destes links podem seguir o projecto: