10/31/11

O salvamento do Bibi e o herói sem nome

 Esta é Sue Drummond com BiBi, o seu cãozinho.
 Estas são as imagens que vi na rede social Facebook 
e que andam neste momento a dar a volta à rede. 
Todavia o salvamento ocorreu em 2009!
 Isto aconteceu num cais de Brighton, em Melbourne, 
na Austrália - notícia no jornal australiano - 
num dia de ventos fortes que empurraram o cão para a água.
 A dona do cão, desesperada, não tinha a certeza de conseguir
 atirar-se à  água e nadar até à margem.


 No cais estava este rapaz de 20 anos, Raden Soemawinata,
modelo em part-time,que ali se encontrava para participar na 
cerimónia fúnebre da sua avó,iam lançar as suas cinzas na baía. 
O resto da história é como se vê:








Na internet a importância da citação da fonte de onde se retirou textualmente ou parcialmente algo, foto ou texto ou música ou video, ou de onde se colheu a inspiração para escrever uma postagem é algo a que a maioria das pessoas não dá importância. A situação é caótica na maioria da blogosfera. Quando se fala em violação de direitos de autor a malta pensa que isso só acontece com trabalhos e nomes consagrados e como sabe que a proteção é quase ineficaz, fecha os olhos como se nada fosse e continua a rapinar toda a espécie de conteúdos sem ligar puto. O prejuízo para quem escreveu, fotografou, criou, pode até ser igual a zero, noutras ocasiões, a divulgação até será benéfica ao autor, mas ninguém sabe nem quer saber o que pensa disso o autor, se autoriza ou não, enfim, é copy-paste e siga. Mas seria de elementar bom senso e devia ser até OBRIGATÓRIO observar algumas regras mesmo que se estivessem borrifando para as leis, é a minha opinião.

Na internet a informação circula vertiginosamente: pula dos livros de papel para o scanner, do scanner para o computador do computador para o email, do email para o blogue, do blogue vai parar às redes sociais, regressa ao blogue, continua para outro blogue, é notícia num portal, é tweetada uma vez, re-tweetada, é alvo de download e retorna ao computador, é impressa, é copiada e distribuída, é alterada, volta ao scanner...- o ciclo pode não ter fim. Quem é que pode ter mão nisto?! É um fenónemo gerado pela evolução da tecnologia, pelo recém adquirido poder de disposição do usuário e pela liberdade da internet. Em postagens posteriores eu irei escrever sobre Direitos de Autor, agora basto-me só em referir este exemplo pois, mais uma vez, lá andei pela internet fora à procura da fonte da informação. No Facebook ninguém me sabia dizer onde tinha acontecido o salvamento, quando tinha acontecido e quem eram os envolvidos. Ora, pergunto, não haveria interesse em que essa informação acompanhasse as fotografias? Não as enriqueceria? Não me digam que só eu é que queria saber mais...!E recordam-se do caso da ninhada de cachorros labrador cujo pedido de adopção ainda circula apesar de eu já nem ter memória de quando vi pela primeira vez essas fotos na minha caixa de email? Os cachorros já devem ser cães séniores por esta altura e ainda há gente a fazer forward ao pedido pois as fotos  e o texto não têm data! Além das violações de Direito de Autor também a própria circulação desregrada de informação na internet não parece incomodar ninguém.  O que é que pensa disto?

1 comment:

Anonymous said...

A Belita tem razão. Fico à espera de mais postagens sobre estes assuntos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...