1/13/07

SINDROMA DE STENDHAL


Já alguma vez tiveram vontade de escrever a um actor que vos fez comover as entranhas,rir até o zip das calças rebentar, ou então antes o saco lacrimal, ou os dois junto, ou nenhum e antes arrepiado uma zona indefinida do vosso cérebro como se tocado ao de leve por uma pena? Ou a um escritor cujo livro, um livro que não conseguiram largar antes de chegar ao fim e que ainda hoje é o vosso favorito, até vos deu uma enorme vontade de escrever um também? Ou a um pintor que até parece pintar telas a pensar em vós, ao vosso mais íntimo gosto, como se tivessem aprendido nos bancos da escola o mesmo código com que um pinta e outro agora vê, e agora existisse entre vós uma troca secreta de mensagens feita de formas e cores que o Mundo nem imagina…Ou a um músico que vos empolgou a ponto de não se importarem de reduzir os botões do vosso HI-FI ao mágico replay? Nunca se sentiram absolutamente felizes perante uma obra artística não importa qual? Se já, nunca tiveram vontade de o dizer a esses artistas? Estão à espera de serem vítimas do célebre sindroma de Stendhal (palpitações, tonturas, e alucinações que podem acontecer quando as pessoas se encontram perante obras de arte particularmente belas, verídico, não estou a inventar!!) para só então pegarem na pena, na Rotring, na Pelikan, ou se calhar no sebento do rato para passarem ao acto? Porque não o fizeram? Porque já estavam mortos? (Eles e não vocês, claro, …) Porque acharam que era de mau gosto, ou coisa mais própria de comportamento de fã, culto de teenager borbulhento e ruidoso, de pin ao peito e poster na parede, para a qual já não têm idade? Porque isso não tem jeito nenhum e não serve para nada, nem dá direito a cupão de desconto na aquisição de novo bilhete para concerto, museu, cinema ou CD novo? Porque não valia a pena, eles nunca iriam ler, ora, têm lá vida para isso, gente famosa que só pensa no estrelato e na fama, que tiveram sorte em nascerem dotados e assim nos sugarem milhões, tanto dinheiro que até se tornam excêntricos para lhe poderem dar uso, ora, aquilo nem é trabalhar, é pura pândega…e, olha, gente assim até talvez gozasse com a vossa desconhecida cara quando lá aparecesse a cartita, não? Senão, certo seria que os vossos amigos gozariam com a vossa conhecida cara, se lhes confidenciassem, e o mais certo seria, um dia à noite, entre finos e amendoins, na mesa da esplanada, ó pá, escrevi ao Vítor Espadinha, aquela música dele é especial, sabes…Ou ainda porque era apenas o trabalho deles e que a vocês, quando fazem o vosso muito bem, mas mesmo muito bem, também nunca ninguém vos agradece com palavras bem ou mal passadas ou dá palmadinhas nas costas?! E além disso já existem as palmas e os direitos de autor, para quê mais do que isso? Não chegam?! Para quem nunca o fez, mas teve vontade, e ainda não fez, partilho aqui uma troca de emails de 2005 de que me lembrei quando hoje comprei mais um CD da Cristina Branco, mesmo sem direito a cupão de desconto.

De: "Cristina Branco" Ver detalhes do contato
Para: belinha_fernandes@yahoo.com.br
Assunto: Mensagem para Cristina Branco
Data: Mon, 14 Feb 2005 14:45:05 +0100

Cara Isabel,

tudo o que faço é declaradamente um acto egoísta, assumo. Mas saber que de fora do aquário estão pessoas como a Isabel, que aceitam...e mais, admiram e seguem os trémulos passos que vou dando na vida ao mesmo tempo que no canto, essa é a minha glória, é sempre uma emoção muito grande saber que outros compreendem esta aventura, que não tem sido fácil, mas acredite que é também por si e por outros como a Isabel que são a extensão daquilo que faço, que contínuo à procura do caminho!no outro dia perguntavam-me (os ferozes jornalistas da cultura do nosso país), qual era o propósito de tão vasta obra, já que poucos estavam dispertos para ela. Eu pensei e disse só que era uma história para o meu filho, outros deixam dinheiro, eu deixo pautas e poetas que saíram da clausura dos livros para pertencerem a todos nós, é esta a "ridícula" herança do meu menino que lutará ou não por ela, como bem entender, é esta a minha forma de tentar construir um país melhor para a melhor gente que ele contém.

bem haja e não hesite em se manifestar nunca
CB

> -----Original Message-----
> From: belinha_fernandes@yahoo.com.br
> [mailto:belinha_fernandes@yahoo.com.br]
> Sent: zaterdag 12 februari 2005 13:19
> To: webmaster@cristinabranco.com
> Subject: Mensagem para Cristina Branco


> A visitor from the Cristina Branco website sends you this info:

> name: isabel fernandes
> email: belinha_fernandes@yahoo.com.br
> body: Cara cantora
> Vi-a uma única vez no Centro de Artes da Figueira da Foz. Sei que não estava muita gente, mas quem estava sabe o momento que viveu. Deve ter alguma pena de em Portugal haver ainda pouco público para si, mas na minha opinião ele vai crescer. Desde que comprei o seu primeiro CD que, pela minha parte, faço campanha. Eu não gosto de fado, gosto muito das guitarras. Na sua música encontrei as guitarras temperadas por outros instrumentos e um colorido diferente para o fado. Como deve saber tem uma voz maravilhosa que ilumina todas estes trabalhos. A liberdade com que escolhe cantar e experimentar fusões é sinal de aventura, penso também que escolhe letras fantásticas para cantar. Gostaria de voltar a vê-la ao vivo. Enquanto isso não chega desejo-lhe as maiores felicidades pessoais e profissionais e cá vou ouvindo o seu Ulisses. Obrigada por fazer da sua vida uma partilha da sua arte com os outros,

> Isabel Fernandes
> Figueira da foz
> thanks: /pub/contact/thanks.htm
> Date: Zaterdag, Februari 12, 2005 at 13:18:51
Para ouvir, extrato de concerto em Suds à Arles:
http://www.youtube.com/watch?v=05-WKS6lrcU



1 comment:

Capitão-Mor said...

Uma das melhores vozes portuguesas da actualidade. Um autêntico hino de nacionalidade. Como Portugal seria bem melhor se existissem o dobro dos artistas deste calibre...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...