6/2/17

Arnold Schwarzenegger contesta escolha deTrump sobre clima




O Arnold surpreendeu-me. Eu e o meu datado preconceito de que o cérebro dele mirrou na proporção em que os músculos incharam e de que não pode vir de lá grande coisa. Já devia ter vergonha. Trump a invocar que o Acordo de Paris é um mau negócio para os EUA e que o quer renegociar é hilário. Do que sei, o Acordo não passa de uma espécie de “acordo de cavalheiros” em que os países não se obrigam propriamente a agir, é uma declaração de intenções. A meu ver isso não lhe retira grandeza. A honra de cada Estado aderente seria então demonstrada, primeiro, pelo reconhecimento da necessidade de agir e depois, liberto do cumprimento forçado através de multas e outros mecanismos, pela escolha de fazer o que é melhor para o futuro dos seus cidadãos. Em verdade num mundo perfeito não deveriam ser precisas medidas punitivas para forçar o cumprimento. Quantas vezes as leis são violadas sem pejo e pagas as multas apenas para se seguir nova reincidência. Se a perfeição é uma quimera então aprendamos todos a fazer da imperfeição o combustível para alcançar aquela e não a chama em nos imolamos. Sair de um Acordo voluntário para o renegociar quando é mais fácil estar à mesa para o fazer do que pedir para me sentar nela de novo, não parece fazer grande sentido. A não ser que Trump não queira renegociar nada e antes fazer o que bem lhe apetece, ele e o seu círculo de amigalhaços investidores. Infelizmente as cidades mineiras dos EUA onde as pessoas entretêm os dias a matar o tempo olhando pela janela não serão ressuscitadas por esta sua decisão. Tenho realmente pena dessas pessoas. São apenas seres humanos como eu que só votaram em Trump porque sonhavam com uma mudança e nem sou capaz de as censurar. Mas a mudança não passa por reanimar cidades mineiras ou continuar a esventrar a terra em busca de petróleo e antes por reconverter todas as indústrias sujas e poluentes em alternativas mais limpas quer durante o processo de extracção quer durante a utilização. Isto é tão básico que nem era preciso admitir o aumento do aquecimento global ou dos gases de estufa para o tornar mais necessário ou mesmo urgente. Apostar nisso é que seria entregar a essas pessoas um suplemento de vida, um futuro para os que desesperam nessas zonas economicamente deprimidas e seus descendentes. Há 30 anos atrás a minha avó que nasceu em 1914 e que trabalhou nos campos e que conhecia bem o ciclo das estações e das colheitas já me dizia que o clima estava a mudar. Ela não leu relatórios científicos mas interpretou os sinais da Natureza. Se os tivesse lido teria percebido melhor. A evidência é, passados 30 anos, maior. Se a subida do nível dos oceanos é até certo ponto inevitável é, todavia, imperioso fazer o impossível para abrandar esse processo. Vivo numa zona de costa, a erosão já é muito grande em algumas zonas e muito provavelmente, aqui, e noutras cidades costeiras de todo o mundo, num futuro mais ou menos próximo, vai acontecer o que hoje acontece em Miami Beach onde a água do mar tomou conta das ruas e se gastam fortunas em obras para manter a cidade seca, uma solução que durará, segundo os engenheiros locais, 500 anos. Leram bem: 500 anos. Mas se até um actor de cinema que ganhou notoriedade à conta da sua massa muscular consegue fazer um filme mais limpo sobre o futuro, não tardará que todos estes fósseis que permanecem reféns do carvão e da indústria do petróleo sejam condenados à extinção. É a evolução natural das coisas. O assunto merecia uma argumentação mais apaixonada mas hoje não posso. Ouçam o Arnold. (Cliquem)

No comments:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...