8/1/12

Ajuda para a Ferreirinha, uma cadela paraplégica!


O Refúgio das Patinhas é um pequeníssimo grupo de pessoas da zona do Grande Porto que acolhe e trata animais que já tiveram um passado triste. Tentam dar-lhes o melhor, permitindo-lhes acesso a cuidados veterinários e uma boa adaptação a uma casa, e promovem a esterilização das fêmeas. As despesas destes animais que recuperam das mais diversas situações (abandono, maus-tratos, canis) são suportadas por um pequeníssimo grupo que se dedica e luta diariamente contra este flagelo do abandono animal, bem como por algumas ajudas que generosamente chegam para ajudar com a despesa diária, e com ajuda em géneros. Toda a ajuda que façam chegar é preciosa.



A Ferreirinha é uma cadela de porte médio/grande, cerca de 6 meses (Abril de 2012) e encontra-se no Refúgio dos Patinhas, podem ver o álbum de fotografias dela no Facebook.

No dia 21 de Abril de 2012, o Refúgio dos Patinhas recebeu uma chamada da GNR às 3 horas da manhã a dar conta de uma cadelinha ainda bebé estendida na berma da estrada. Estava toda molhada, tremia, não se conseguia mexer. Tinha sido brutalmente atropelada e deixada para trás. No dia seguinte logo de manhã, levaram a Ferreirinha para uma clínica veterinária. A Ferreirinha estava infestada de carraças, estava desidratada e com picos de febre e temperatura baixa, e o pior de tudo, com uma lesão grave na coluna. Foi posta a soro e iniciou imediatamente a medicação de dor e para o problema da coluna. Nos dois primeiros dias, não queria comer, mas felizmente esta situação foi ultrapassada.

A 8 DE MAIO DE 2012, o Refúgio dos Patinhas tinha más notícias para dar. A Ferreirinha já devia estar com sensibilidade à dor profunda, passados 18 dias teria de ter essa melhoria. Ela já encolhia as patinhas quando lhe apertavam uma parte da almofada. Infelizmente, isso era apenas reflexo e não dor. Foi bem avaliada pela veterinária e com a pinça de bicos presa na pata não tinha qualquer tipo de reacção. Isto significa que a Ferreirinha estava paraplégica. Nesse momento só se perspectivavam duas soluções para ela: obter uma cadeirinha de rodas ou ser eutanasiada.Sem cadeirinha de rodas, em breve iria abrir feridas por se arrastar e perder qualidade de vida. Não é fácil tratar uma cadela paralítica com 15 kg  - é preciso muito esforço para a manter impecável e com todo o bem estar possível para evitar escaras. A veterinária disseque a Ferreirinha era uma boa candidata a uma cadeirinha de rodas.

A 9 DE MAIO DE 2012, o Refúgio dos Patinhas pedia uma boleia para a Ferreirinha do Porto a Odivelas e de Odivelas ao Porto, no mesmo dia. Contactaram a DogLocomotion e o Sr. Pedro da DogLocomotion queria mesmo vê-la ao vivo para desenvolver uma cadeirinha de rodas à medida,para que seja feita de forma a suportar todo o peso que tiver em adulta.

A 17 DE MAIO DE 2012, a Ferreirinha estava há um mês no Refúgio e era preciso apelar a todos ajuda para obter a cadeirinha.

A 30 DE MAIO DE 2012, o Refúgio indicou que no dia 18 de Maio, a Ferreirinha fez a viagem até à DogLocomotion e a cadeira começou a ser construída.

A 23 DE JUNHO DE 2012, ao fim de dois meses, a Ferreirinha consegue finalmente mover-se por si, socorrida pela cadeira. Ela estranhou imenso o equipamento e não queria andar, atacando o equipamento da forma que podia. A Ferreirinha começou então a desenvolver um papo na zona do rabo, que julgavam  ser de raspar no chão enquanto esperava pela chegada da cadeirinha. Foi feita desinfecção e aplicação de pomadinhas, mas não resolvia. Além disto, começaram a aparecer umas feridas no dorso sem ter nada a ver com contacto com urina nem zona de raspagem. Foi levada a ser vista pela veterinária no dia 22 de Junho, que procedeu de imediato à retirada do líquido da enorme em forma de "bola" que ela tinha na zona do rabo. Saiu imenso sangue e sentia-se uma saliência dura nessa zona. Foram feitos dois raios-x e o pior revelou-se - a Ferreirinha tem uma pata traseira toda partida e a outra pata traseira com luxação. A veterinária apresentou três soluções: 

1.Operar as duas pernas porque as duas estão em situação grave, opção que desaconselha  por se gastar um dinheirão a operar duas patas que ela não vai usar nunca.
2.Tirar as duas patas traseiras.
3. "Deixar andar" até a situação agravar de vez e só então optar por uma das duas hipóteses anteriores. Este "deixar andar" implica que a Ferreirinha tem de fazer antibiótico e dois anti-inflamatórios para aquele papo enorme na zona do rabo desinchar e conseguir controlar a infecção. Caso nem a medicação ajude a controlar esta infecção, então terão mesmo de pensar numa daquelas duas primeiras hipóteses. 

A 19 DE JULHO DE 2012, a Ferreirinha foi vista pelo ortopedista e ele acredita que há fortes indícios de que esta cadela foi brutalmente espancada e não atropelada. O tipo de lesão que apresenta nas duas patas traseiras e algumas lesões que tem no corpo, e o facto de ela ter um enorme terror no que toca a pessoas, fazem o doutor acreditar que esta cadela foi brutalmente espancada. A Ferreirinha é muda, não ladra, não chora, não lhe sai qualquer tipo de som. E, passados 3 meses sempre num ambiente calmo, cheio de carinho e mimo,continua a tremer e a ter pânico no que toca às pessoas. O doutor não aconselha a operação das duas patinhas (por estarem partidas), mas também referiu que manter a cadela assim não é solução: por ter as patas assim, mais tarde ou mais cedo ela vai abrir feridas e ter infecções atrás de infecções. E amputar as patas também não é solução porque requer um pós-operatório bastante rigoroso, ela é grande e não se deixa tratar facilmente, o que impede a operação...

O que podemos nós fazer para ajudar a Ferreirinha?
É importante perceber que muitas pequenas ajudas - que podem até parecer insignificantes - se transformam numa ajuda que faz realmente a diferença na saúde, bem estar e futuro dos animais maltratados. O pequeno grupo de pessoas do Refúgio das Patinhas já faz o mais importante: recolheu a Ferreirinha, encaminhou-a para cuidados veterinários. Nós podemos juntar-nos a esta equipa e dar-lhe meios para prosseguir a sua importante missão de prestar auxílio a este animal indefeso. Não fique indiferente! Leia e veja se pode ajudar de alguma forma!
  • Enviar medicação  
Maxilase comprimidos

Rymadyl 50

Noroclav 250

Thrombocid clorohexidina

  • Enviar materiais diversos 
-gaze

- resguardos (preciosíssimos)

- toalhetes de bebé

- fraldas médias

- luvas latex

- rolos de papel

  • enviar ajuda monetária NIB - 0035.0206.00.699272400.97
  • enviar ração de boa qualidade para cão 
  • oferecer uma transportadora grande (150 euros)
Contactos para esclarecimentos e informações:
O site - O Refúgio das Patinhas
O email - geral@refugiodaspatinhas.org


A caixa de correio não é monitorizada diariamente. Apesar de todas as mensagens recebidas merecerem a melhor atenção do Refúgio das Patinhas, nem sempre lhes será possível responder a todas. Pelo facto, o Refúgio pede desculpa. Compreendam, são poucas pessoas, muitos animais, muito trabalho e pouco tempo. 

O telemóvel - 915 408 298. Se ninguém atender, por favor, deixe mensagem escrita SMS com o seu nome, contacto e o assunto - é muito importante deixar estes dados.

(Esta postagem foi redigida a partir de informação da página do Facebook onde está o álbum de fotos da Ferreirinha e do site do Refúgio das Patinhas)

No comments:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...